Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

Notícias e eventos

10
Setembro 2012

Disputa entre bancos pode reduzir juros de cartões

Brasília - A concorrência entre os bancos poderá ajudar a reduzir as taxas de juros do cartão de crédito. A opinião é do professor da Universidade de Brasília (UnB) Newton Marques.

Para o especialista em finanças pessoais, a ação dos bancos públicos pode estimular a concorrência. “Não tem como estimar por quanto tempo os bancos públicos vão aguentar (manter a estratégia de redução de juros), mas com certeza, isso mexe com o mercado”, diz Marques.

A Caixa e Banco do Brasil anunciaram redução de taxas de juros de cartões de crédito na sexta-feira (6). Nesse mesmo dia, a presidenta Dilma Rousseff reclamou dos juros dos cartões no Brasil, em pronunciamento pelo rádio e pela televisão.

“Estamos conseguindo, por exemplo, uma marcha inédita de redução constante e vigorosa dos juros, que fez a Selic baixar para cerca de 2% ao ano em termos reais e fez a taxa de juros em longo prazo cair para menos de 1% ao ano, também em termos reais”, afirmou.

O professor da Faculdade de Informática e Administração Paulista (Fiap) Marcos Crivelaro alerta que, mesmo com taxas menores, compras não devem ser feitas por impulso, mas planejadas. “Quanto mais barato, mais as pessoas vão usar. Mas não se pode acumular dívidas”, diz o professor, que também é especialista em matemática financeira e consultor em finanças.

Crivelaro calcula que o ideal é não ultrapassar o limite de 30% da renda familiar comprometida com parcelas de financiamento. Ele orienta também a evitar o crédito rotativo. “Como é um crédito automático, as pessoas não fazem as contas”, destaca.

Em julho, pesquisa da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor mostrou que o juros cobrados no cartão de crédito no Brasil são os maiores da América Latina.

Por ano, o brasileiro, que efetua parte do pagamento da fatura, paga uma taxa média de 323,14%, quase seis vezes maior em comparação ao segundo colocado da lista - no caso o Peru, onde a taxa média anual é 55%.

Fonte: Agência Brasil

Mais notícias e eventos

Nossa localização

Receba nossos boletins por e-mail